quarta-feira, 4 de junho de 2008

Debilmente afectada

Dia para esquecer.
Estou em pânico e nao acredito no que me aconteceu. Porquê a mim? Porquê?
Desempenho o papel de protagonista neste filme de terror em que se transformou a minha vida. Não sei como o fiz, mas fi-lo.
Chorei, gritei, explodi, e admiti. Agora preciso apenas de um longo e profundo buraco onde me possa esconder eternamente. Como voltarei a olhar para o teu rosto? Como voltarei a falar-te e a olhar-te nos olhos como sempre fizera? Eu sei, o melhor de tudo seria afastar-me de vez, mas isso é impossível; Impossível demais para ser posto em prática.
Só quero fugir. Quero fugir daqui, e ir para um inferno bem mais calmo que este... Onde, de preferência, não hája o sentimento a que todos chamam de amor. Um sentimento tão estupido, tão injusto e impropriado, que está a fazer com que aos poucos e poucos, eu te perca, dolorosamente e inconsolavelmente. E agora? O que faço agora? Sentir o eu toque é uma sensação mágica, mas pensar que nunca mais sentirei tal sensação é assustador. Talvez esteja a delirar, mas o causador de tudo isto és tu. Não fui eu que escolhi, pois acredita que se o pudésse fazer, tudo seria diferente.
Recuar no tempo seria uma boa forma de apagar tudo isto. Mas mais uma vez, a impossibilidade dura e perdura até ao fim da minha existência. Como foi isto acontecer-me a mim? Porquê a mim? A ultima coisa que eu queria neste mundo, era perder a tua amizade, és importante demais, mas infelizmente, a minha capacidade racional esgotou-se e agora, tudo isto é a consequência dos meus estupidos actos, da minha estupida existência... Podes dizer que não, podes dizer que não deixas, podes dizer tudo o que quizeres, tudo o que te apetecer, mas sabes tão bem como eu, que a nossa amizade já viu melhores dias, e melhores condições para continuar; Sabes tambem que tudo isto é complicado demais tanto para mim, como para ti, pois o o facto de eu me afastar contribuirá para o plano de esquecimento, mas será impossivel de aguentar... Porque é impossível não te tocar, é impossível não estar contigo. É difícil demais.
Mas que outra solução será melhor do que esta? O problema consiste aqui mesmo: Não há outra solução, não há outra hipótese! Não consigo raciocinar... pensar em ti, impede-me de tudo o resto. Quero gritar de raiva.
A raiva que me atingiu por ser tão transparente, por conseguires ver não só as minhas lágrimas exteriores, mas tambem as interiores que naquele momento me fizeram morrer. E agora? Que pensas tu de mim? "Mais uma pita estupida apaixonada por mim", ou como alguem tão emocionalmente instável que não consegue falar sem verter lágrimas perturbadoras? Escusado será dizer que o meu coração parou quando me abraçaste; As tuas palavras deixam-me completamente inactiva. E a pergunta continua a pairar sobre a minha cabeça "Porquê a mim?" Sim, estou debilmente afectada. Como fui eu capaz de deixar que isto acontecesse? Não consigo perceber, não consigo.
Agora não posso dizer que tenho medo de te perder, de perder a tua amizade, pois na verdade, o fim está à vista, mesmo que não o queiramos ver. O medo atingiu-me e tranformou-se num terrível pânico que vivo a cada segundo que passa. Segundos que nunca mais acabam, segundos sem fim, segundos extremamente escuros.
Eu não posso, não quero, não consigo, NÃO AGUENTO. Não aguento tudo isto muito mais tempo... é como se estivesse a cair no infinito, no vazio, onde a única coisa que sinto, é o som da tua voz a esvoaçar no meu cérebro.

8 comentários:

Mel disse...

acho que fizeste bem em teres admitido o que sentias. o que sentes é insegurança e vergonha, mas não tens de ter vergonha de nada. se a tal pessoa for alguém como deve ser vai-te compreender e não te julgará. poderá afastar-se mas para não te magoar.
não queiras fugir... isso aumenta ainda mais o teu sofrimento.


beijos **

Libelinha disse...

Mel,
Obrigada pelo apoio. Sei que tens razão, mas é díficil ver o nosso melhor amigo afastar-se de nós para não nos magoar :(

Mel disse...

precisamente por ser teu amigo é que decidiu afastar-se, porque quer dar a entender que não corresponde àquilo que sentes e que não mereces sofrer por isso (dando-te falsas esperanças) mas que ao mesmo tempo não quer perder a tua amizade.
tenta falar com ele. sei que é difícil dizer do que fazer mas tens coragem suficiente para conseguir, eu sei disso :)

imagina que fosse o contrário: também te afastarias um pouco. ele não se afastou por mal, acredita.

beijos e tem calma ^^

Libelinha disse...

Querida Mel,
Tens toda a razão, e eu tambem partilho da mesma opinião que tu, é até lhe fico agradecida por isso, mas é tão difícil... é tão complicado não falar com ele, fingir q não o vejo, não estar com ele!
Não consigo explicar :'(

Mel disse...

se estás a sofrer com essa distância, precisas mesmo de falar com ele.
não quero que estejas assim ): tudo tem solução e esta fase de afastamento não vai ser eterna.

Libelinha disse...

Falar com ele? Não.
Só tenho raiva por isto me ter acontecido --'
Não é justo eu perder o meu melhor amigo por estas merdas!

Mel disse...

mas tu não o vais perder :o
ele vai-te compreender, a sério... os amigos têm de se compreender uns aos outros ou então não se entendem e não há amizade!
tens de ter paciência (complicado, eu sei) até ele se começar a aproximar aos poucos e aceitar o que sentes. ninguém controla os seus sentimentos e não te deves sentir mal por isso.

Libelinha disse...

Já perdi, Mel.
Voltar a aproximar? Parece-me um tanto ou quanto impossível, depois de tudo o que se passou. Até olhar para ele é dificil, quanto mais.
[...]