sábado, 23 de agosto de 2008

Rodopios da incerteza

Cheguei ao novo inferno
Um inferno, onde a escuridão lidera!
As chamas já não são quentes.
Aqui, as chamas congelam-me o interior,
congelam-me o cérebro, o coração.

O calor tornou-se sombrio,
As chamas mentais cessaram,
A paixão tranformou-se em ódio.
A verdade colide comigo.

O vazio cegou-me os olhos
O sabor secou-me os lábios,
A fragância impede-me de respirar!

Aqui, tudo é gélido e incerto...
Aqui, tudo me magoa demais a mente!
Aqui, os começos são limitados.

Neste inferno tudo morre, nada renasce.
Perdi todo o calor que me fazia sorrir...
Perdi o inferno perfeito!

[Agora resta-me o escuro, o vazio, o nada].

3 comentários:

Algodona Doce disse...

:(

Andreia Lopes disse...

É o que resta sempre... *

C.B. disse...

vim retribuir a tua simpática visita ao meu cantinho (: tive uma agradável surpresa quando aqui cheguei, senti uma envolvência deliciosa (:


as tuas palavras são de uma escrita forte, cheia, caregada! gosto muito disso (: só tenho pena que te sintas como descreves... o vazio é um estado de alma, vais ver que com o tempo te vais sentir bem melhor (:


um beijinho e continua sempre a escrever. sabes, dizem que alivia o espírito *<3