sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Ilusões
___
Perguntas, Interrogações
Este medo de continuar...
Esta insegurança que me consome,
Sentimentos que não têm fim.
___
Tantas pessoas, tantas sombras,
Tantos acontecimentos, tantas incertezas...
E agora, o Mundo!
O Mundo que não passa disto,
De inseguranças perturbadoras,
De medos inconcebíveis,
De incertezas inaceitáveis...
Sentimentos que não têm fim.
___
Oh, Tremenda Ilusão!
Assustadoras fantasias
Que se absorvem do meu ser,
Um ser que existe, mas não vive.
Um ser que morre, sem nascer.
___
Uma realidade ilusória
De impossibilidades concretas,
De impossibilidades absurdas!
___
Isto é o meu mundo,
Do qual preciso de fugir,
Do qual quero desaparecer.
__
Apenas desaparecer...

6 comentários:

Martinha disse...

apesar de triste... muito bonito :)

Unknown Artist disse...

E quando desapareceres?
Onde queres aparecer?

Beijinho

Unknown Artist disse...

Acho engraçado como o teu nada é o meu tudo!
Somos todos felizes á nossa maneira =)

Beijinho

O Profeta disse...

Uma réstia de luz no crepúsculo
Uma súplica presa na brisa
Um caminho sem fim
Pela terra da tua lembrança


Convido-te a ver o diadema da Noiva do Mar

Boa semana


Mágico beijo

C.B. disse...

este poema arrepiou-me! dotado de um sofrimento apurado, bem ao estilo dos pré-romanticos!


*.* um beijinho*

Gabriela disse...

Wow...brutal! Lindo!
Fiquei fã, miúda!
xD